Quarta, 16 de agosto de 2017
"A melhor maneira de vencer o inimigo é transformá-lo em amigo" (Ap. Sinomar).

Meu Pai é Um Chato!

Essa é uma frase usada com freqüência entre muitos jovens nos dias atuais.
 
Os aconselhamentos que faço com os jovens nas escolas que trabalho e nas igrejas que ministro me leva a aprender muito, pois os grilos dessa galera sempre são os mesmos – carregam um milhão de questionamentos na cabeça. Me procuram  para falar de tudo: namoro, primeiro emprego, decisão pela escolha da faculdade a fazer e, principalmente, relacionamento com os pais. Este último me preocupa muito, pois se tem algo que pega na vida do jovem é o relacionamento em casa e sempre vem a mesma reclamação: - André, meu pai não me entende, não conversa, sempre está cansado e preocupado ou ocupado demais. Lá em casa não rola uma amizade, meu pai é muito chato.

Certo dia eu estava no shopping com minha família e encontramos um amigo com sua família também. Estávamos conversando quando aquele jovem pai chamou seu filho adolescente e disse: - Pastor, olha a roupa deste menino (o rapaz estava de preto)! Eu trabalho o dia todo, dou de tudo o que há de melhor e ele só quer vestir preto. Faz alguma coisa pastor, converse com ele, assim não dá!

Essa foi uma história dentre muitas outras que tenho ouvido e visto no dia a dia. Parece que na adolescência e juventude cria-se uma distância imensa entre pai e filho: de um lado, pais com as terríveis cobranças, do outro, filhos num abismo infinito.

Meu pai era "o cara", podia ter mil defeitos, mas para mim uma qualidade apagava todos eles. Ele sempre foi meu melhor amigo. Tenho boas lembranças e gostaria de compartilhar o que aprendi com ele:

- Estar sempre presente, tanto nas horas importantes como em momentos, que para você (pai), não parecem tão importantes. Nos jogos da escola sempre tínhamos um torcedor muito barulhento que achava que era o melhor técnico do mundo e no dia a dia um amigo para jogar uma "pelada" na pracinha.

- Orar todos os dias pelos filhos: Muitas vezes acordei no meio da noite e encontrei meu pai de joelhos clamando por nós. Ele nos ensinou a orar em família para que todos nós tivéssemos liberdade. Isso se tornou algo natural entre nós. 

- Sair sozinho com o filho para tomar um lanche e bater um papo, jamais aproveitando esse momento para correções, e comendo, de preferência, pizza ou sanduíche. Mesmo depois de casado eu encontrava com ele uma vez por semana para conversar coisas importantes ou não. Em 2002 no meu aniversário, minha esposa estava na faculdade e comemoramos juntos em um shopping; comemos, conversamos, foi algo inesquecível.

Lembre-se você está sendo filmado o tempo todo. Sei que o meu caráter e formação como homem e marido é resultado de uma vida de observação entre atitudes e pensamentos de um servo de Deus e o tratamento dele com minha mãe, que por sinal tenho que admitir que nunca conheci outro casamento igual.

Pais, nesses dias os seus filhos não estão pedindo uma coisa cara ou impossível de ser realizado, só estão pedindo através das atitudes, a sua atenção. "Pais , não irritem seus filhos" (Ef 6:4).
 
 
André Vinícius de Souza Torres
Pastor na Igreja Luz Para os Povos do Jardim Guanabara em Goiânia
© 2010 - Todos os direitos reservados Ministério Apostólico Luz para os Povos
www.luzparaospovos.org.br   webdesigner: cristiano souza   sistema: coweb