Quarta, 13 de dezembro de 2017
"A adoração é o degrau mais alto na escala da guerra espiritual" (Ap. Sinomar).

EU DECIDO CRER NA JUSTIÇA DIVINA

“Mas agora se manifestou uma justiça que provém de Deus, independente da lei, da qual testemunham a Lei e os Profetas, justiça de Deus mediante a fé em Jesus Cristo para todos os que creem. Não há distinção, pois todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus, sendo justificados gratuitamente por sua graça, por meio da redenção que há em Cristo Jesus. Deus o ofereceu como sacrifício para propiciação mediante a fé, pelo seu sangue, demonstrando a sua justiça. Em sua tolerância, havia deixado impunes os pecados anteriormente cometidos; mas, no presente, demonstrou a sua justiça, a fim de ser justo e justificador daquele que tem fé em Jesus” (Rm 3:21-26).

 INTRODUÇÃO

 Eu só pude entender o poder de uma aliança, quando entendi a justiça de Deus.

 Na Antiga Aliança os líderes das tribos faziam pactos ou Aliança por vários motivos: defesa, proteção e outros propósitos. Realizavam uma cerimônia solene, que demonstrasse extrema seriedade e garantisse a permanência do pacto. Levavam para a cerimônia animais vivos como cabritos, carneiros ou aves. Esses animais eram partidos ao meio e eram colocados na direção dos que estavam fazendo o pacto ou aliança. Então as pessoas ficavam em pé entre os animais e recitavam as cláusulas do pacto – as promessas. Assim era feita uma aliança entre duas pessoas. Diziam algo assim: “Prometo defender sua vida, ou o seu povo, ou sua família e para isso darei a própria vida se necessário”. Os dois falavam essas palavras.

 Depois, os dois liam a segunda cláusula do pacto: “Prometo estar junto com você em tempos de fome, doença, ou necessidades...”. Às vezes as cláusulas eram muitas.

 Depois das cláusulas pronunciadas, os pactuados ficavam em pé entre as duas partes do animal – ficavam parados olhando para aquele cenário. Era um espetáculo horrível, um show de sangue e morte. Neste momento era feita a última parte da aliança: Diziam: “Se eu não cumprir o meu compromisso com você, que eu seja como esse animal. Tome a minha vida e destrua-a, trate meu corpo como lixo, se eu não for leal ao pacto que fiz agora”.

 As testemunhas do pacto diziam as mesmas palavras. A gravidade daquele momento era incrível! Depois caminhavam entre os pedaços do animal, formando uma figura de oito (8), o símbolo do infinito, pois haviam entrado num pacto eterno. Quebrar aquela aliança seria perder a própria vida.

 Em Hebreus 6, Deus faz duas declarações que são como âncoras para a nossa alma. Ele jurou que o seu povo (Israel) herdaria a terra da promessa. Isso é maravilhoso; Ele cumpre a sua Palavra. Deus sempre cumpre suas promessas; Ele nunca falhou. Leia Hebreus 6:13-20 e Gêneses 22:16-17.

 ·         Abraão recebe a promessa com alegria, mas faz uma pergunta ousada para Deus: Ler Gn 15:7-10.

·         Deus responde imediatamente a Abraão e lhe ordena que busque animais para o pacto.

·         Abraão já se preparava para o pacto quando um sono profundo veio sobre ele e dormiu. – Enquanto ele dormia, algo poderoso aconteceu, um fogareiro fumegante e uma tocha de fogo começaram a passar entre as metades dos animais e uma voz dizia: “À tua descendência darei esta terra” (Gn 15:18).

·         Esta experiência de Abraão foi tremenda. Apesar de estar dormindo ele viu e ouviu tudo em visão.

 Jesus cumpriu a lei, então nós cumprimos a lei. Deus entrou em aliança com Abraão e seus descendentes e se Deus não cumprisse a sua parte, Ele, Deus, deixaria de existir. Deus colocou a sua própria existência à prova.... Sério, não?

 O povo de Israel, por desobediência, foi levado cativo para o Egito. Mas Deus levanta Moisés para libertar aquele povo. Deus não se esquece da sua aliança, jamais. Ele é fiel!

 ·         Moisés, diante da sarça ardente, pergunta para Deus: Qual é o teu nome? O que direi a Faraó? Então Deus lhe responde: “Eu sou o que sou. Isso dirás ao povo: o EU SOU me enviou para os libertar...”.

·         Quando Deus diz: “Eu sou”, ele está dizendo que existe por si mesmo, ninguém o criou: antes que tudo existisse, ELE É! O Deus eterno fez uma promessa, o Deus que não pode mentir (Leia Ap 1:11 e João 8:58).

·         O nosso Deus não teve problemas financeiros – Nenhuma recessão econômica poderá afetá-lo. Sua existência nunca será afetada ou abalada.

 

“Eu sou” – significa: Eu sou o que você precisa que eu seja. Quem está em aliança com Deus pode pedir o que quiser. Qualquer que seja a nossa necessidade, o EU SOU será a resposta.

 

Agora eu pergunto: Existe alguma condição para que tudo isto se cumpra? Sim! A condição foi o que Ele chamou de “Antiga Aliança”, a lei. Deus fará tudo pra você se você for totalmente obediente à lei. Esses foram os termos que Moisés levou ao povo.

 Deus mostrou o que Ele era: Tornou o rio Nilo em sangue, encheu a Terra com rãs e fez cair chuva de granizos em toda a Terra, enviou o anjo da morte e matou todos os primogênitos do Egito, abriu o Mar Vermelho, etc. Deus estava dizendo: Eu sou tudo o que vocês precisam. Debaixo dos termos da lei, eu serei Deus para vocês em qualquer circunstância.

 Aqui temos um problema: Ninguém nunca conseguiu cumprir os termos da Antiga Aliança. Ninguém jamais conseguiu cumprir a lei. Mas, de repente vemos um homem chamado Jesus obedecendo toda a lei desde o seu nascimento. Ele é declarado justo antes do seu batismo. No batismo o Espírito Santo vem para dentro dele e opera sobre Ele.

 Jesus obedeceu a lei 100%. Por isso nunca nada lhe faltou. Ele estava numa festa de casamento e era o único justo ali, porque obedeceu toda a lei. Faltou vinho na festa. O que aconteceu? Deus, o Pai, era o que Jesus necessitava. Então, antes que terminasse a festa, havia vinho do melhor e em abundância. Outros exemplos: A multiplicação dos pães, a questão dos impostos, a ressurreição do filho da viúva de Naim. Jesus obedeceu toda a lei. Ele é declarado justo. Então Deus foi na vida dele “o grande eu sou”.

 O que Deus poderia fazer em mim e através de mim se eu cumprisse a lei?

 

Ouça: Enquanto Abraão dormia, viu dois seres que caminhavam entre as partes dos animais. Eles juraram aliança um com o outro. O fogareiro fumegante é Deus, o justo juiz e doador da lei. A tocha de fogo era Jesus, a luz do mundo, o justo Filho de Deus.

 Jesus caminhou entre os animais partidos e cumpriu todas as exigências da velha aliança por mim e por você. Ali naquele dia Jesus fez um pacto por mim.

 Por meio da obediência de um único homem muitos serão feitos justos (Rm5:19b). Deus sabia que nós jamais seríamos capazes de obedecer à lei e estar em pacto com Ele, foi por isso que Jesus obedeceu por mim e firmou uma aliança por mim. Agora eu estou em pacto com o grande “Eu Sou” e tenho cumprido todos os seus requisitos, através da justiça gratuita que recebi de Jesus Cristo.

 - Estamos em aliança com Ele? Bem-aventurado os que entendem isso.

- O resultado de estar em um pacto com Jesus é que a sua bênção me segue e me cobre.

- Quando faço uma oração de aliança, o céu imediatamente responde e os anjos entram em ação.

 CONCLUSÃO

 Quando entendi “justiça” a Bíblia se abriu para mim.

 - Eu não tenho que ser justo; eu já sou! Uma macieira produz maçãs porque é um pé de maçãs e não por querer ser.

- A minha identidade espiritual declara que eu sou justo.

- Existem coisas poderosas e novas dimensões disponíveis para aqueles que entenderem a justiça de Deus. Esse é o verdadeiro alimento sólido.

 “Consequentemente, assim como uma só transgressão resultou na condenação de todos os homens, assim também um só ato de justiça resultou na justificação que traz vida a todos os homens” (Rm 5:18).

© 2010 - Todos os direitos reservados Ministério Apostólico Luz para os Povos
www.luzparaospovos.org.br   webdesigner: cristiano souza   sistema: coweb