Sábado, 24 de junho de 2017
"Deus, em sua sabedoria, faz com que as mais belas rosas nasçam entre espinhos para que não sejam soberbas" (Ap. Sinomar).

Dia das mães

 Nós nos enrolamos quando nos apegamos aos princípios religiosos. Sabemos dizer que não queremos que determinados tipos de música sejam tocados ou cantados e ainda levantamos as nossas bandeiras dizendo que essa ou aquela festa tem origem pagã e não pode ser aplicada no meio cristão.

Mas, e o Dia das mães? Nem se cogita dele não ser uma festa totalmente cristã. Afinal quem tem coragem de mexer com as santas mãezinhas? Mas creio que vale à pena dar uma olhada na origem desse dia tão festejado:

A mais antiga comemoração é a mitológica, quando comemoravam na Grécia Antiga e em toda Ásia Menor a entrada da primavera, no mês de Março,  em honra à Mãe de Todos os Seres, ou Mãe dos Deuses.

Nos Estados Unidos, em 1858 uma ativista criou um movimento panas de diminuir a morte de crianças em famílias dos trabalhadores através do "Dia de Amizade Para as Mães". Mais tarde essa ativista faleceu e sua filha Anna Jarvis começou uma campanha para a criação do Dia das Mães. Em 1914, em tempos difíceis, quando tanto mães quanto as crianças estavam sofrendo muito para sobreviver em uma sociedade endurecida pela guerra,  ela conseguiu a oficialização do segundo domingo de maio para homenagear as mães. Era uma homenagem tanto às mães vivas quanto às que já haviam partido para a eternidade. As pessoas usavam naquele dia uma flor, de preferência um Cravo. Se a mãe fosse viva, a flor era vermelha, ou branca, caso sua mãe já tivesse falecido. Era assim nas igrejas e nas ruas, todas com sua flor fixada e sua roupa.

No Brasil, o dia das mães foi oficializado em 1932, no governo do então Presidente Getúlio Vargas com o objetivo de valorizar um pouco mais a mulher até então, na maioria das vezes esquecida e desprezada. Ele havia acabado de legalizar o direito da mulher votar e agora criava-se o Dia das Mães. 

Sabendo de toda essa história, vamos ali comprar um lindo presente para a nossa mãe, afinal de contas isso já faz parte de nossa cultura, e mãe é uma pessoa muito especial.

E as outras festas que rejeitamos ou as músicas que não cantamos? Bem, vamos pensar melhor antes de darmos nossa opinião pessoal, para não sermos como os fariseus que davam dízimo da hortelã e de toda sorte de hortaliças, mas desprezavam a justiça e o amor de Deus. O Senhor Jesus ensina que é importante fazer ambas as coisas

Nós nos perdemos em discussões sobre santidade, e vamos criando regras sobre regras e esquecendo que a justiça e o amor são indispensáveis em nossa vida.

É muito bom poder festejar o Dia das Mães, mas isso não invalida o respeito e a honra de cada dia. Todos os dias são dias das mães. De nada vale colocar o cravo branco na lapela, se enquanto sua mãe viveu  você nunca lhe deu alegria e honra. A honra para uma mãe é no dia a dia, com o reconhecimento diário de seu valor, sua dedicação e seu amor.

 Ai de vocês, fariseus, porque dão a Deus o dízimo da hortelã, da arruda e de toda a sorte de hortaliças, mas desprezam a justiça e o amor de Deus! Vocês deviam praticar estas coisas, sem deixar de fazer aquelas (Lc 11:42).

© 2010 - Todos os direitos reservados Ministério Apostólico Luz para os Povos
www.luzparaospovos.org.br   webdesigner: cristiano souza   sistema: coweb